Implementação de RFID - Portolog

Identificação por radiofrequência ou RFID (do inglês "Radio-Frequency IDentification" ) é um método de identificação automática através de sinais de rádio, recuperando e armazenando dados remotamente através de dispositivos denominados etiquetas RFID.

Uma etiqueta ou tag RFID é um transponder, pequeno objeto que pode ser colocado em uma pessoa, animal, equipamento, embalagem ou produto, dentre outros. Contém chips de silício e antenas que lhe permite responder aos sinais de rádio enviados por uma base transmissora. Além das etiquetas passivas, que respondem ao sinal enviado pela base transmissora, existem ainda as etiquetas semipassivas e as ativas, dotadas de bateria, que lhes permite enviar o próprio sinal. São bem mais caras que do que as etiquetas passivas.

RFID: utiliza transponders ( os quais podem ser apenas lidos ou lidos e escritos) nos produtos, como uma alternativa aos códigos de barras, de modo a permitir a identificação do produto de alguma distância do scanner ou independente, fora de posicionamento. Tecnologia que viabiliza a comunicação de dados através de etiquetas com chips ou transponders que transmitem a informação a partir da passagem por um campo de indução.

Sistemas de monitoramento de contêineres e caminhões com RFID já são uma realidade no país, em particular no porto de Santos, o maior da América Latina. Tags RF ativos identificam e gerenciam a movimentação de pessoas, veículos e contêineres. Outras aplicações incluem o controle de acesso por RFID, parte fundamental do sistema ISPS Code, mundialmente adotado como medida de segurança contra o terrorismo.

Mais recentemente a Secretaria especial de portos, lancou o projeto PORTOLOG, que visa controlar o acesso de todos os caminhões aos portos brasileiros através da adoção de tags RFID e de leitores RFID que serão colocados em locais públicos e gates privados dos mais diversos terminais alfandegados.